quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Equilíbrio é movimento

"Viver é como andar de bicicleta: é preciso estar em constante movimento para manter o equilíbrio." - Albert Einstein (físico alemão, 1879 - 1955)

Hoje vamos começar com um breve experimento prático que costumo sugerir com frequência aos meus pacientes. Pegue um lápis ou caneta. Não, hoje não precisa de papel, só do lápis mesmo. Agora equilibre a ponta do lápis na ponta do seu dedo. Difícil? Geralmente acham que sim. Mas não pense no equilíbrio por enquanto. Perceba o que você fez quase automaticamente para manter o lápis na ponta do seu dedo: você se movimentou!

Equilíbrio é movimento,
é arriscar-se a fazer dar certo!
Muitas das pessoas que me procuram vêm em busca de uma vida equilibrada. E quando isso acontece, a conversa precisa começar com definições: o que é uma vida equilibrada para cada um de nós? Porque a minha noção de equilíbrio não é igual a de mais ninguém, assim como a da pessoa que me procurou ou a da pessoa que lê este texto. Em todos os casos, no entanto, me parece que aquilo que cada um chamaria de "vida equilibrada" está diretamente ligado ao ideal de si mesmo, à "identidade mito" sobre a qual conversamos em outro texto (para rever, clique aqui!). A identidade mito é como um ideal que temos de nós mesmos. E, sempre é bom dizer, os ideais nunca são atingidos. Ainda assim, é importante tê-los e conhecê-los, pois são os ideais que nos guiam na busca do possível e do viável, os ideais estão muito relacionados aos valores de cada um, ao que cada pessoa valoriza em sua vida.

Qual mito você vive? Ou, perguntando de modo mais usual, quem você gostaria de ser? Procure responder a pergunta para si mesmo. Se quiser aproveitar o lápis do exercício que fizemos no começo e escrever a resposta, melhor ainda! Muitas pessoas reagem com espanto quando pergunto isso. "Quero ser eu mesmo, não queria ser mais ninguém!" E a ideia nem é essa! Mas, você talvez já tenha percebido, existem vários de você aí dentro, e todos eles são legítimos e verdadeiros. Procure descrevê-los e perceber em que tipo de situação cada um deles aparece. E procure perceber de quais você gosta mais. Procure descrever o ideal, se você só pudesse escolher um. Quanto mais detalhes você usar em sua resposta, melhor. Outra vez, o ideal nunca é atingido! Então, é claro, parte deste exercício envolve usar a imaginação. Talvez outra pergunta te ajude a definir seu eu ideal / identidade mito: se um dia, daqui a muitos anos, alguém perguntar sobre sua vida, que história você gostaria de contar?

Identidade mito definida, vamos em busca do equilíbrio! Volte lá em cima e leia a frase de Einstein com a qual abrimos a conversa desta semana. Agora, lembre-se do primeiro exercício. Parece que uma das chaves para manter uma vida equilibrada é o movimento constante. O que quero dizer? Na física clássica existe o conceito de "equilíbrio estático", segundo o qual as forças que atuam sobre um corpo em repouso manterão o objeto imóvel desde que o módulo resultante seja igual a zero. Acontece que, voltando para o campo da psicologia,  nós, seres humanos, não somos corpos em repouso. Estamos em constante movimento externo e interno. E precisamos disso para manter nosso equilíbrio. Assim, uma vida equilibrada nunca pode incluir uma coisa só. Se fosse assim, o que haveria para equilibrar? Não, para ter equilíbrio precisamos encher os dois pratos da balança!

Em termos de buscar uma vida equilibrada,
equilíbrio estático  só funciona se você for uma pedra!

Talvez alguém tenha definido como ideal de eu ser um profissional de destaque em sua área de atuação. Cabe, então, falar um pouquinho sobre papeis. O que se espera de um profissional que é visto como referência em sua área? A resposta óbvia seria "que trabalhe muito bem". Mas o que se precisa para trabalhar bem? Passar por constantes atualizações, cumprir prazos e horários, desempenhar suas tarefas com dedicação, tratar os clientes com respeito e consideração... Mas será que é apenas isso? Claro que não! Reparem que não saímos da esfera do trabalho e, para haver equilíbrio, como já dissemos, precisamos atingir mais esferas. Talvez um bom profissional, para tornar-se referência, precise cuidar da saúde, da alimentação... Quando não estamos bem o trabalho (ou os relacionamentos, os estudos, a diversão, o que for) não rendem da mesma maneira. Talvez o excelente profissional precise se permitir conviver mais com a família e os amigos, socializar... Talvez precise se divertir mais, não imagino um bom profissional como uma pessoa ranzinza e bitolada! Só há equilíbrio quando a diversidade (seja a nossa própria diversidade interna ou a diversidade social) é valorizada e respeitada. Diferentes lados de nós mesmos ou diferentes esferas da nossa vida precisam coexistir em harmonia, cada um precisa de um tempo e espaço adequados para ser.

Enfim, cada pessoa, de acordo com o ideal que estabelece para si, pode pensar nos papeis que estão incluídos naquela personagem e, conforme os próprios valores, pode ter clareza do que exatamente está tentando equilibrar. Como equilibrar algo se não sabemos de quais coisas estamos falando? Neste processo, provavelmente será necessário estabelecer prioridades, tomar atitudes e fazer mudanças, um verdadeiro plano de ação. E ação significa agir. Equilíbrio é movimento. Independente da meta ou do estilo de vida almejado, uma coisa é certa: para manter o equilíbrio e a coisa funcionar, alguma atitude terá de ser tomada!

2 comentários:

  1. Nada a comentar, apenas a concordar.

    www.cchamun.blogspot.com.br
    Histórias, estórias e outras polêmicas

    ResponderExcluir