terça-feira, 23 de abril de 2013

Mythos - Gaia: a terra, a abundância e as criações

Ontem, dia 22 de abril, foi dia da terra. Por isso pensei que seria interessante escrever a coluna Mythos desta semana sobre Gaia, a deusa grega da terra. Na verdade, Gaia não é uma deusa, era um ser que existia antes de tudo e que deu origem ao mundo que conhecemos, aos titãs (geração anterior aos deuses gregos), aos deuses e a uma série de outros seres. Ela era anterior até mesmo ao tempo, pois ele também é seu filho. Provavelmente Gaia era cultuada por povos anteriores à civilização grega, fazendo com que, num choque cultural, o povo grego a englobasse em sua cultura na forma de uma entidade mais antiga que as deles.

Gaia, como já comentei, era a "deusa" da terra. De acordo com os antigos gregos, no início tudo o que existia era o caos, uma massa sem forma. Aos poucos, o caos se acalmou e ganhou forma, o que fez com que surgisse Gaia. Mas, tão logo começou a existir,  Gaia se sentiu solitária e desejava amor. Por isso criou Urano, o céu. Ele a amou, curvando-se sobre ela, envolvendo-a por completo. E assim Gaia, que além da terra representa a fertilidade, teve muitos filhos. Mas Urano tinha ciúme dos filhos de Gaia e queria lhes fazer mal, por isso a mãe escondia todos eles dentro de si (muitas riquezas existem dentro da terra, de pedras preciosas à riquezas simbólicas, como as que encontramos dentro de nós). Com o tempo, seu ventre foi crescendo, ficando mais e mais pesado, até que Gaia mal podia aguentá-lo. Então, ela criou uma foice a partir de seus metais e deu a arma ao seu filho Cronos, o tempo. No momento em que Urano veio copular com Gaia, Cronos apareceu sorrateiro e castrou o pai. O sangue que jorrou sobre a terra/Gaia deu origem a outros seres. Esse episódio fecha a participação de Urano enquanto amante de Gaia na mitologia grega. Mas não pensem que Gaia ficou solitária! Ela teve muitos outros filhos, de muitos outros amantes. Além disso, ela era tão fértil que era capaz de ter filhos sem que um companheiro a engravidasse.

Gaia era uma deusa criadora, extremamente fértil. Ela assegurava a fertilidade da terra, dos animais e das mulheres. Para as pessoas daquele tempo, esta era uma questão de grande importância, pois sem fertilidade, não havia sobrevivência do grupo. Quando falamos de fertilidade, podemos pensar em abundância, isto é, em ter os suprimentos necessários em quantidade suficiente, bem como podemos mencionar as criações (não só de filhos, mas de ideias, projetos, relações, obras de arte, etc.).

Um dos maiores símbolos de Gaia é a serpente, que troca de pele e se renova constantemente, a cada novo ciclo. Um fato curioso: o famoso Oráculo de Delfos, antes de ser de Apolo, pertencia a Gaia. Lá, a serpente Píton guardava o templo onde as sacerdotisas diziam frases proféticas em linguagem simbólica, em estado de transe. Apolo, deus visto pelos gregos como justo e civilizador, matou a serpente (o que pode representar tanto o domínio da cultura anterior pelos gregos, quanto uma explicação sobre o início do patriarcado, com um deus masculino subjugando um dos maiores símbolos do sagrado feminino). Apolo, então, tomou para si o Oráculo de Delfos, fazendo uma última homenagem à Gaia: as sacerdotisas de Apolo, que trabalhavam naquele templo, passaram a ser denominadas "pitonisas" (em referência a Píton).

Gaia, no entanto, sempre permaneceu presente. E até hoje permanece, seja nos mitos, seja nos discursos sobre ecologia tão necessários e frequentes hoje, seja em teorias como a Hipótese de Gaia, do pesquisador James Lovelock, que pressupõe que a terra seja um sistema, ou melhor, um organismo vivo e que se autorregula. Gaia representa não apenas a terra e a fertilidade/abundância (em todos os sentidos dessas palavras), mas também a mãe que nutre e protege seus filhos/projetos, aquela que dança conforme os ciclos das estações, da lua, das marés, de vida e morte.

Questões para refletir:
1- Quando seus filhos estavam sob a ameaça de Urano, Gaia guardou todos eles em seu ventre protetor. E você, como protege seus projetos? Quando a ameaça passa, você os deixa ir ou tende a superprotegê-los?
2- Quais são suas ideias a respeito da abundância? Muitas pessoas, quando crianças, são levadas a acreditar que é errado desejar a abundância. Isso aconteceu com você? Quais as ideias sobre este tema que te foram ensinadas? Muitos confundem abundância com excesso e desperdício, por isso é bom deixar claro que não se trata disso. Abundância quer dizer que as necessidades serão supridas, e não que os alimentos, água ou recursos serão usados de maneira a desperdiçá-los, sem planejamento ou ao acaso.
3- No interior de Gaia existem inúmeras riquezas e tesouros. E dentro de você, quais tesouros podem ser encontrados dentro de você? Você se permite compartilhá-los para que tragam abundância? Como você lida com sua fertilidade ou, em outras palavras, com sua criatividade? Permite-se criar, construir e deixar fluir suas ideias?
4- Esta atividade deve durar no mínimo um dia inteiro (de preferência mais). Preste atenção ao seu discurso sobre a abundância. Não apenas ao que você diz, mas principalmente aos sentimentos e pensamentos. Qual mensagem você passa a si mesmo a esse respeito? Numa próxima ocasião, faça o mesmo com a criatividade/fertilidade.
6- Gaia, sendo a terra que nos nutre e sustenta, traz a mensagem de que somos todos parte do mesmo todo. O que você pensa sobre isso? O que sente? Como lida (ou não lida) com a conexão?

9 comentários:

  1. pesquisas baseadas em imagens de satelite, mostram que Gaia, o planeta Terra, é de fato um sistema integrado, autoregulado e autodesregulavel (dependendo das varias variaveis desse sistema).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal saber, acho isso fantástico! Quem sabe as "desregulações" também são partes do processo, como ocorre com o dia a dia das pessoas algumas vezes...

      Excluir
  2. Incrível ver esse tipo de texto! To adorando!! Realmente Gaia não é uma deusa, ela existia antes de tudo, e moramos nela até hoje! A questão que fica é: estamos dentro do ventre de Gaia ou estamos expostos? Interessante pensar nisso, não??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho fascinante o seu pensamento: estamos no ventre dela ou expostos? Ou isso oscila de acordo com o momento de cada um? De todo jeito, vejo Gaia como um todo e se estamos em alguma pedaço dela, fazemos parte, também somos Gaia!

      Excluir
  3. Bia, essa questão de compartilhar os próprios tesouros para que tragam abundância. Seria um exemplo partilhar a felicidade que esta dentro de nós para que nossas próprias necessidades em outras áreas sejam supridas(exemplo. suprir minha vaidade)?

    Se for isso como lidar com a felicidade de divulgar projetos versus a vontade ou necessidade de protegê-los de pessoas invejosas, por exemplo. Sempre acho que se eu ficar falando dos meus projetos, eles vão dá errado porque a maioria das pessoa não sabem comemorar a felicidade do outro. Por outro lado, sinto a necessidade de falar para o mundo sobre eles. Acho até feia essa necessidade minha de querer falar como se fosse para suprir uma vaidade. Como resolver um conflito assim? Obrigada. Rogéria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rogéria!
      A questão sobre compartilhar nossos tesouros pode ser vista também desse jeito. Quando compartilhamos algo de bom que temos dentro de nós (a felicidade, sentimentos, conhecimentos, habilidades...) isso se espalha por outros setores da nossa vida... Mas vai além. Se espalha pela vida daqueles que convivem com a gente também, aprendemos e refletimos bastante com aqueles com quem convivemos. Indo ainda além, algumas vezes compartilhamos algo nosso e a coisa cresce e dá frutos para o mundo. Então esse compartilhar interfere em diversas dimensões - na nossa vida, na vida do outro, na realidade mais ampla.
      Isso é uma questão interessante. Ao mesmo tempo que poucas pessoas se alegram pelo outro, será que a inveja deles teria tanto poder? De toda maneira, não se trata de contar sobre projetos necessariamente. O nosso compartilhar pode ser diferente. Pode ser dar o nosso melhor estando lá para alguém que precisa, compartilhando um sorriso, ensinando algo, dividindo uma experiência que passamos...
      Não acho nada feio vc querer interagir e falar sobre seus projetos. Só é preciso saber o que, quando e para quem contar. Respeitando o tempo de gestação e crescimento de cada um desses projetos. A semente plantada cedo demais apodrece e não brota. Apenas a semente plantada na época certa e bem cuidada pode crescer e dar bons frutos.

      Excluir
    2. Muito obrigada ;)

      Excluir