sexta-feira, 31 de maio de 2013

Ágora - Contornando o ciúme do irmãozinho

Bia,
Minha questão é sobre filhos. Tenho uma filhinha de 2 anos, ela é uma criança muito doce e apegada a mim e ao meu marido. Mas engravidei pela segunda vez e tenho medo que ela sinta ciúme do bebê, tenho medo de ela sofrer com isso. Ela já começou a querer saber por que minha barriga cresceu e não sei o que responder, ela mostra minha barriga apontando com o dedinho e pergunta porque. Como eu faço para ela passar tranquila por essa fase?
Desde já obrigada. beijo
Denise - Florianópolis

Oi Denise!
O primeiro passo é conversar com a sua filha, contando para ela que vai ganhar um irmãozinho e que a barriga da mamãe cresceu porque por enquanto o bebê vive lá, mas quando estiver pronto vai nascer e ela poderá conhecê-lo. Tudo com muita calma e de um jeito bem simples, que a criança entenda. É interessante contar para sua filha a história dela. Como era quando ela que estava na barriga da mamãe? Como foi o dia que ela nasceu? Como era o dia a dia de vocês quando ela era uma bebezinha? Crianças são muito visuais, por isso se você tiver fotos e videos de quando ela era bebê, ela vai gostar de ver. Se tiver roupinhas e outras coisinhas de quando ela era mais nova, também é legal mostrar para ela. Sempre falando como ela era pequenininha, como cresceu, o quanto é amada... Traga o papel principal para a sua filha, e não para o bebê, deixe que ela se sinta especial.

É muito comum que a criança queira participar do dia a dia do novo bebê. E principalmente para crianças pequenas como sua filha, participar não significa ajudar a mamãe, e sim fazer o mesmo que o irmãozinho faz. Lembre-se que a idade dela é mais próxima da idade do bebê do que da idade dos pais! Pode ser que ela queira experimentar um pouquinho como é mamar no peito. Pode ser que chore mais do que de costume ou que queira ver como é tomar banho na banheirinha do bebê ou brincar com os brinquedinhos dele. E é legal deixar que ela experimente. Sempre dizendo que quando ela era pequenininha ela também fazia essas coisas de neném, e agora que é uma menina maiorzinha, já sabe fazer coisas novas, sabe comer comidas diferentes, fazer outras brincadeiras, enfim, agora ela já sabe fazer escolhas. Com calma e paciência, sem repreender. Nunca é demais dizer, muitos abraços, beijos e colo continuam sendo fundamentais e sempre serão!

Ah, e não esqueça de dizer que o irmãozinho vai crescer! Para nós adultos pode parecer bobagem, mas a criança pequena nem sempre sabe que o bebê vai crescer e ficar independente também. E saber disso acalma muito a criança. Ele vai crescer e vocês vão poder brincar juntos, ir para a escolinha juntos... É normal existir certa competição ou ciúme, mas a interação saudável e cooperativa deve ser incentivada. E uma última orientação: não compare suas crianças. Nunca. Cada uma delas é única e especial do jeitinho que é.

Muitas felicidades para sua família!
beijos
Bia

Para participar da coluna Ágora, envie a sua pergunta para o email bf.carunchio@gmail.com, você também pode participar enviando sua pergunta através da nossa página no Facebook ou do meu perfil pessoal.  Você tem a opção de se identificar ou de se manter como anônimo.

2 comentários:

  1. Muitos passam por isto.
    Importante a criança entender que o maninho(a) não é rival e sim um(a) amigo(a)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você. Os nossos irmãos são nossos maiores elos com a nossa história. abraço

      Excluir