terça-feira, 4 de junho de 2013

Mythos - Kwan Yin: o sofrimento do mundo

Esta semana vamos trabalhar com um mito chinês. Ou melhor, Kwan Yin não é cultuada apenas na China, mas também no Japão, Coréia e em muitos outros países, pois é uma figura de grande destaque no budismo (em alguns casos, é cultuada também no taoismo). Um ponto interessante é que Kwan Yin não é uma deusa ou divindade, mas sim uma bodhisattva, isto é, um ser humano que está a um passo da iluminação. Ela é muito popular pela forma como se dedica aos seres humanos. Ela pode se tornar iluminada, mas jurou a si mesma que não daria este passo enquanto ainda houvesse pessoas sofrendo na Terra. Por isso permanece eternamente na condição de bodhisattva, ouvindo o sofrimento do mundo. Vamos conhecer sua história.

Kwan Yin, antes de se tornar o que é, nasceu como uma menina chamada Miao Shan. Ela era filha única e como era de costume na cultura oriental antiga, o pai dela pensava em arrumar-lhe um bom pretendente, pois além de garantir uma vida boa para a filha, este seria o único jeito de melhorar de vida tendo uma filha e não um filho. O problema era que os planos da moça eram outros. Ela era muito espiritualizada e tinha vontade de se tornar uma monja budista. O pai, é claro, achou um absurdo! Seria embaraçoso para ele ter uma monja na família! Sem que a filha soubesse, ele encontrou um pretendente para ela. Era um homem já de idade e nada atraente... mas muito rico. Conforme se aproximava o dia do casamento, Miao Shan não fez nada a não ser rezar por horas e horas... Não provou o vestido de noiva, não quis escolher as flores que enfeitariam a festa. Apenas orava. A mãe dela foi defendê-la, mas o pai se recusou a ouvir: o casamento já tinha sido combinado e teria de acontecer! Mas toda a raiva e determinação do pai não causavam nenhum impacto na jovem. Por isso ele a prendeu numa torre, esperando que caísse em si e concordasse com o casamento. Mas na torre, tendo apenas arroz seco para comer e ninguém com quem conversar, Miao Shan dedicou-se ainda mais às suas preces. Após algum tempo, o pai percebeu que a filha não iria ceder e ordenou aos seus soldados que a matassem.

Os soldados amavam e respeitavam Miao Shan. Mas o medo que sentiam do pai dela era ainda maior. Nesse impasse, eles a levaram para a floresta e levantaram suas espadas. A jovem fechou os olhos, já se preparando para abri-los no pós vida... Quando, do nada, um tigre saiu de entre as árvores e avançou nos soldados. Em seguida pegou Miao Shan com a boca e a carregou até uma caverna, onde a deixou e desapareceu. A moça mal teve tempo de olhar ao seu redor e também a caverna desapareceu. Ela flutuou levemente a outro lugar, cheio de fantasmas que se moviam com rapidez. Perto dos fantasmas estava Yen Wo Lang, o regente da morte. Essa era a entidade que mantinha as almas como suas escravas, sendo que enquanto estivessem a seu serviço, elas não conseguiam renascer e nem corrigir seus erros passados. Miao Shan o desafiou, e o regente da morte fez com que as chamas em sua cabeça crescessem de maneira assustadora. Ela apenas se ergueu e sua alma reluziu. Ele ainda tentou jogar-lhe uma maldição, mas viu que a moça rezava pacificamente, irradiando uma aura de paz que atraia os fantasmas para ela. Yen Wo Lang  viu cada uma das almas que ele mantinha como escravos flutuarem para a terra e renascerem como bebês, com toda uma vida de oportunidades pela frente. E assim ele compreendeu que seus truques e maldades não tinham poder algum sobre Miao Shan.

Quando a menina abriu os olhos, estava novamente na caverna onde o tigre a havia deixado. Novamente, voltou a orar. E em meio às suas preces, apareceu o Buda. Ele lhe disse que em um ano exato atingiria sua meta. Disse ainda que precisava chegar à ilha de P'u T'o Shan, mas que tivesse cuidado, pois o pai soube de sua fuga e estava em seu encalço. O Buda ainda lhe deu um pêssego que a manteria sem sentir fome ou sede até que atingisse sua meta.

Ela seguiu as instruções do Buda e quando chegou à ilha, lá havia muita luz. Ela estava a um passo da iluminação, de atingir um estado búdico e não precisar mais sofrer na terra com as misérias humanas. Ninguém jamais havia exitado em dar este passo, mas Miao Shan parou. Como poderia ter a consciência em paz sabendo que ainda havia tantos sofrendo no mundo? Pessoas sendo mortas injustamente, passando fome e frio, vivendo em condições desumanas... Como poderia dar este passo e ter a consciência em paz sabendo que tantas pessoas não conseguiam encontrar um caminho em suas vidas, não conseguiam sentir a paz dentro de si por causa das dificuldades da vida e da dureza do caminho? Não, ela recuou. E ao desistir da iluminação, Miao Shan transformou-se em Kwan Yin, aquela que escuta o sofrimento do mundo. Ela jurou para si mesma que permaneceria naquela ilha até que não existisse mais sofrimento no mundo. E desde então ouve todas as preces e acalma o sofrimento das pessoas. Dizem que ela atende a todas as preces e que apenas dizer seu nome, Kwan Yin, já é o bastante para criar uma aura de paz e harmonia.

Questões para reflexão:
1- Numa interpretação psicológica do mito, o tigre que defende Miao Shan, a caverna, o regente da morte e o Buda representam partes do nosso inconsciente. Ele é muito poderoso, pode nos dar defesas, soluções e sábias orientações, basta se concentrar e manter o foco. Em quais áreas da sua vida você percebe que precisam de ajuda? O que você faz para obtê-la?
2- Tal como Miao Shan, vivemos num mundo cheio de violência e intempéries. Qual a sua participação nisso? A sociedade somos todos nós. Como você reage ao sofrimento do mundo ou, dizendo em outras palavras, como você reage aos problemas da sociedade como a violência, a miséria, o individualismo?
3- Pegue duas folhas de papel. Em uma delas, faça um desenho ou colagem sobre o sofrimento. Pode ser o sofrimento do mundo ou o seu próprio sofrimento. Na outra, faça o mesmo, mas pensando na paz. Que diferenças e semelhanças existem entre os dois trabalhos? Na paz também pode existir conflitos, da mesma forma que foi uma vida de conflitos que deu a Miao Shan a consciência da paz.

4 comentários:

  1. Vou "roubartilhar" no meu blog... rs
    Mas só o link, aí o pessoal terá de vir aqui ler. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vontade, Jhey!! E muito obrigada pelo "roubartilhar"! =D

      Excluir