sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Ágora - Como funciona a hipnose?

Bom dia, Bia! Sou leitor do teu blog já faz alguns meses e tem me feito pensar muito sobre as coisas da minha vida. Minha pergunta é mais uma curiosidade, queria saber como funciona a hipnose. Usam aquele pêndulo? A pessoa hipnotizada faz mesmo tudo que mandam? Quero dizer se a hipnose funciona mesmo ou é coisa de circo, porque quando mais novo eu vivia tentando hipnotizar meu irmão com um ioiô, mas nunca dava certo. Era coisa de criança mesmo e a gente sempre ri quando lembra disso, mas a curiosidade fica. Os psicólogos usam mesmo a hipnose? Obrigado.
Dênis - Lajeado, RS


Oi, Dênis!

Acho que muitas crianças em algum momento brincam de tentar hipnotizar alguém, pois este é um tema quase sempre apresentado pela mídia como algo fantástico, que foge ao nosso dia a dia comum. Bom, para começar, sim, hipnose existe "de verdade" e pode ser usada para tratar problemas mais graves. É importante dizer que o uso clínico da hipnose não envolve pêndulos. Em shows em que as pessoas são hipnotizadas dessa maneira, geralmente elas já foram colocadas em estado hipnótico antes, e induzidas a retornar ao estado quando o pêndulo fosse utilizado. Em consultórios, a hipnose é muito diferente. O paciente é levado a relaxar por meio de palavras e técnicas de imagem. Alguns outros profissionais de saúde também se utilizam da hipnose para minimizar a dor do paciente (dentistas, por exemplo) É possível fazê-lo sem palavras, apenas por meio de toques em pontos específicos do corpo, que induzem o relaxamento da consciência e o estado hipnótico.

Muitas pessoas têm medo de hipnose, e o primeiro medo que surge é o de fazer algo que vá contra seus princípios. Isso é completamente impossível. Durante a hipnose, o que acontece é um rebaixamento da consciência, quem atua é o nosso inconsciente. Mas para onde a consciência vai? A consciência continua lá, em segundo plano. Assim, enquanto o terapeuta fala, o paciente têm consciência plena do que se passa, pode ouvir sons fora da sala de atendimento, perceber a poltrona em que está sentado, enfim, a consciência está lá, apenas está menos ativa. No entanto, quando o terapeuta usa palavras ou dá sugestões que vão contra os valores morais e éticos da pessoa, ela simplesmente sai do estado de transe, "desperta". Por isso, frases absurdas como "pare no meio da rua e espere alguém te atropelar" na certa tirariam a pessoa do transe, pois a defesa da própria vida sempre será mais forte do que qualquer tipo de sugestão. Além disso, os psicólogos e outros profissionais de saúde respondem aos seus conselhos de ética profissional, que lhes impõem um código de normas éticas. A hipnose, assim como qualquer outra técnica, só pode ser usada para trazer o equilíbrio do paciente, nunca para causar danos ou constrangimentos. Assim, o pêndulo e as sugestões absurdas ficam apenas para o circo e shows de televisão, a hipnose clínica é bem diferente.

O segundo medo é o de "ficar preso" em algum lugar. Pergunto: se estamos explorando a psique do paciente, como ele poderia ficar preso onde quer que seja? É o mesmo que ter medo de dormir e não conseguir acordar! Alguns pacientes caem no sono durante a sessão de hipnose, e não há problemas nisso. A técnica atinge seu objetivo da mesma forma e o paciente apenas desperta normalmente, como depois de uma soneca.

Alguns sintomas e problemas que podem ser melhorados pelo uso da hipnose: hipertensão arterial, alergias, enurese noturna, incontinência urinária, problemas sexuais (impotência, ejaculação precoce, frigidez), sintomas de TPM e problemas menstruais, asma, bronquite, rinite alérgica, distúrbios do sono (ronco, apneia, insônia, pesadelos...), problemas digestivos (gastrite, dispepsia...), diarreias crônicas, distúrbios alimentares, obesidade, enxaquecas, dores crônicas, entre outros. Algumas questões psicológicas também podem ser tratadas com o auxílio da hipnose, como fobias, ansiedade, insegurança, questões emocionais e comportamentais. A hipnose ainda pode ser usada em casos graves de depressão, síndrome do pânico e dependência química, por exemplo, com a intenção de retirar o paciente da crise (isso significa que os motivos que o levaram a entrar na crise ainda precisam ser tratados!). É importante dizer que, especialmente em grande parte dos casos, o paciente precisará fazer um acompanhamento com o psicólogo.

A hipnose é um instrumento de grande ajuda no trabalho clínico de muitos psicólogos, promovendo bem estar e qualidade de vida, assim como acelerando o processo terapêutico.

beijo,
Bia


Para participar da coluna Ágora, envie a sua pergunta para o email bf.carunchio@gmail.com, você também pode participar enviando sua pergunta através da nossa página no Facebook ou do meu perfil pessoal.  Você tem a opção de se identificar ou de se manter como anônimo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário