sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Ágora - O que dizer numa entrevista de emprego?

Srta. Bia,
Estou desempregado a quase dois anos. Mando meu currículo e sei que sou bom, fiz faculdade, tenho curso de ingles, informática e falo um pouquinho de espanhol. Passo bem pelas dinâmicas e atividades porque sou simpático, tenho iniciativa e trabalho bem em grupo. Algumas vezes até me chamam para entrevista mas nunca sou contratado. Acho que deve ser aí que estou errando e queria saber o que o pessoal da seleção quer ouvir? 
Grato.
Paulo César - Brasília, DF


Oi, Paulo César.

Pergunta difícil a sua. Porque para saber o que o pessoal da seleção "quer ouvir", é fundamental saber o que eles procuram! Não existem respostas certas ou erradas, currículos bons ou ruins, existem apenas pessoas que dariam certo em determinadas vagas e as que se dariam melhor em outras.

Claro que é bom fazer faculdade e ir além, se atualizar com novos cursos com frequência... mas não é apenas isso o que torna alguém apto para certa função. Outros fatores, como os trabalhos anteriores e mesmo o tempo entre um emprego e outro - no seu caso, por exemplo, o que fez nestes quase dois anos? Foi apenas um tempo ocioso na espera de uma nova oportunidade ou você aproveitou para se reciclar, rever sua carreira, talvez fazer trabalhos temporários ou mesmo um voluntariado? Tudo isso também conta, pois mais do que a função exercida, esse tipo de informação conta aos selecionadores sobre as nossas atitudes, seja perante o trabalho, seja perante a nossa realidade mais ampla.

Já conheci pessoas com currículos admiráveis que tinham dificuldade em encontrar um bom emprego. Alguns, porque procuravam nos lugares errados, em cargos e funções que não seriam as mais interessantes para alguém com aquela formação e perfil (como pessoas com formação técnica ou superior que buscam vagas operacionais acreditando que terão alguma vantagem por terem mais formação - geralmente não terão). Outras vezes, apesar do currículo ser bom, o perfil da pessoa não é compatível com a vaga ou com a filosofia da empresa. Ou, ainda, a pessoa tem um ótimo currículo, um perfil interessante, mas na hora da entrevista acaba não conseguindo passar essas informações de maneira adequada, se for este o caso seria interessante trabalhar a comunicação. Em outros casos ainda, apesar do ótimo currículo, a pessoa não se envolve com o que faz, apenas "cumpre tarefas". E uma pessoa treinada para observar comportamentos e discursos identifica essa falta de envolvimento (com o trabalho, mas também com ela mesma).

Se você procura um emprego há tanto tempo sem sucesso, talvez seja o momento de, ao invés de buscar a oportunidade ideal, criar a sua oportunidade. Você não me contou qual é o seu ramo de atuação, mas hoje em dia é possível criar o nosso próprio trabalho em praticamente qualquer área (seja atuando como um profissional autônomo, seja abrindo o próprio negócio), criando a nossa própria oportunidade ao invés de esperar por uma. Seria interessante reavaliar sua vida profissional e fazer um panejamento de carreira com um profissional. Assim você terá um plano em mãos, de acordo com a formação que tem, seu perfil e suas metas. Quando comparamos e unimos esses elementos, aliando o perfil da pessoa a um panorama do mercado, os caminhos se traçam. É mais conveniente andar com um plano claro do que tatear no escuro.

Boa sorte e sucesso!
beijos
Bia

Para participar da coluna Ágora, envie a sua pergunta para o email bf.carunchio@gmail.com, você também pode participar enviando sua pergunta através da nossa página no Facebook ou do meu perfil pessoal.  Você tem a opção de se identificar ou de se manter como anônimo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário