quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

5 Ideias para cultivar a paz interior

"O primeiro dos bens, depois da saúde, é a paz interior." - François de La Rochefoucauld (1613-1680), pensador francês.

Gosto muito de falar e pensar sobre a paz. A paz é aquilo que temos de mais precioso, pois sem ela todo o resto perde o colorido. Quando começo a falar sobre isso, muita gente me interrompe com o mesmo argumento, por isso, antes de passar para as ideias, vou responder a essa questão. Não, paz é muito diferente de estagnação e marasmo. Uma vida em paz pode (deve!) ser cheia de atividades, responsabilidades e novidades. O que muda? A forma como olhamos para essa nossa vida e, por consequência, a forma como nos sentimos frente a ela. Resumindo, entendo a paz interior como a postura tranquila frente aos acontecimentos e desafios da vida, a confiança no futuro e em nós mesmos. Nem sempre seremos os melhores, mas sempre faremos o nosso melhor, confiando e acreditando nas nossas escolhas. Pensando nisso, separei aqui algumas ideias para manter a paz interior (mesmo que a sua vida, como a minha, seja super corrida e cheia de atividades!).


1- Cumprimente as pessoas
Começando em casa, logo cedo! Deseje bom dia para a sua família ou outras pessoas que moram com você, para os vizinhos, para o porteiro do prédio... e não pare! Diga o mesmo ao motorista do ônibus, aos colegas e amigos, aos desconhecidos que encontramos todos os dias no caminho para as nossas atividades. Seja gentil. Na hora do almoço ou na volta para casa, faça a mesma coisa. Diga "até logo" para as pessoas. Deseje boa noite. Pasmem, ao dizer isso já escutei de pessoas que fazer isso seria falsidade. Eu não penso assim. Antes de tudo, é questão de boa educação e de tratar os outros com  o respeito que merecem. É muito bom receber um "bom dia" de desconhecidos. A gente se sente reconhecido enquanto cidadão, cria-se um ambiente gostoso onde as pessoas têm permissão de viver fora das burocracias do sistema, no mundo em que a vida acontece e as pessoas interagem com tranquilidade. Além disso, se quiser pensar apenas em você mesmo, dizer "bom dia" aos outros é fazer isso também para si mesmo. Ouvimos o nosso bom dia e a resposta da pessoa nos desejando o mesmo, e com isso nossa mente entra na frequência dessas palavras e passa a se comportar buscando que a gente de fato tenha um dia bom.

2- Dê atenção às suas palavras
Sabe aquelas historinhas de criança em que é preciso dizer a palavra mágica para que a realidade se transforme? Tem muito mais realidade nisso do que se pensa. As palavras são mágicas! Somos seres da linguagem, somos feitos de palavras e de histórias e são essas histórias que vivemos, pretendemos viver e também aquelas que gostaríamos de ter vivido que moldam o mundo em que vivemos. Preste atenção à forma como você "conta" suas histórias. Principalmente os adjetivos. Que características (boas ou ruins) mais saem da sua boca ou mais passam pelo seu pensamento? Isso conta muito sobre a sua forma de levar a vida. Ninguém vive em paz maldizendo tudo e todos, porque no caminho, acaba maldizendo a si mesmo. Faça o teste. Passe alguns dias sem maldizer nada e sem reclamar (mesmo reclamar para si mesmo é ruim, pois nos faz seguir um padrão segundo o qual o mundo é inóspito e não merecemos a paz e as alegrias). Sim, é difícil até pegar o jeito. O pulo do gato é mudar seu foco. Deixe de focar o que não está bom e foque naquilo que você almeja e valoriza. Não vai com a cara do Fulano? Não prestigie, ande com quem te faz crescer. Não gosta de determinado lugar ou atividade? Vá atras do que te faz bem. Não tem mesmo como fugir? Veja o lado bom da situação, com certeza tem algum! E não, isso não é falta de crítica, isso é sobre olhar a vida com os olhos da paz e do crescimento. Falta de crítica é outra coisa.

3- Respeite-se!
Coma direito, dando seu tempo para mastigar e apreciar sua refeição, escolhendo alimentos nutritivos e saudáveis. Durma bem, em tempo suficiente. Mantenha seu ambiente limpo e organizado. Trabalhe, estude, mas reserve um tempinho para a diversão e para ficar "a toa", isso também é necessário. Ah, e muito importante: não se sabote. Respeite suas escolhas e escolha sempre o que o seu coração mandar, mesmo que pareça uma escolha meio estranha. Geralmente nos frustramos muito menos assim. Mantemos a paz interior, também, quando somos fieis aos nossos valores e sentimentos. Respeite-os. Não adianta nada achar que todo mundo precisa nos respeitar se a gente mesmo não se respeita. Aliás, respeitamos os outros quando sabemos nos respeitar. Se a pessoa não respeita e considera nem a si mesma, como esperar que respeite os outros?

4- Conecte-se ao sagrado
Ore, medite, reflita sobre temas como a paz, o amor, o equilíbrio e a harmonia. Importante dizer: aqui, entendo por sagrado o transcendente, isto é, aquilo que vai além de nós, além desta realidade aqui e agora. Tanto faz se você chama esse sagrado de Deus, Deusa, anjo da guarda, orixás, energia cósmica, a Luz, o Bem... ou até se o transcendente estiver em algo não espiritual, como as causas sociais-humanitárias, o amor ao próximo, uma vida familiar tranquila e feliz. Quando nos conectamos ao transcendente, recuperamos o futuro. Não como algo distante ou ameaçador, digno de preocupação, e sim como algo pleno da esperança que nos enche de vida e nos leva a respirar novos ares.

5- Foque a gratidão
Seja grato por tudo aquilo que tem. Seja grato por todos aqueles que participam ou já participaram da sua vida, todos eles cumpriram seus papeis para te transformar em quem você é hoje. Seja grato também pelas perdas e por aquilo que não tem. Elas também tiveram um papel importante no seu caminho, mesmo que atravessá-las tenha sido dolorido e difícil. A gratidão nos coloca em contato com os padrões da abundância, das sincronicidades e com a certeza de que merecemos uma vida harmoniosa e feliz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário