sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Ágora - Quando a criança deve ir para a escola?

Bia, tenho uma pergunta sobre colocar a criança na escola. Eu tenho 63 anos e tenho a guarda do meu netinho Felipe que fez 2 anos, o aniversário dele foi agora em janeiro. Será que já é hora de colocar ele na escolinha? Quando meus filhos eram da idade do Felipe, só ficava na escolinha as crianças que a mãe não podia olhar e que não tinha ninguém pra deixar enquanto trabalhava, ou falavam que era coisa de mulher folgada que não queria cuidar dos filhos. E também queria saber como ver se a escola é boa. Obrigado.
Maria Aparecida - Minas Gerais


Olá, Maria Aparecida!

É verdade, em outros tempos as crianças entravam na escola mais tarde do que hoje. Muitas famílias não dão importância à pré-escola, pois a escola obrigatória só começa no primeiro ano do Ensino Fundamental (que hoje em dia começa no ano em que a criança completa 6 anos de idade, e não 7). A ideia das "escolinhas" não é que a criança estude, como no ensino regular, mas principalmente que ela conviva com outras crianças, faça amiguinhos, aprenda a dividir, a esperar sua vez e, ao mesmo tempo, desenvolva elementos como a percepção, a coordenação motora, etc. A ideia também não é ser um lugar em que a criança fica porque ninguém em casa tem tempo ou vontade de tomar conta, e sim um lugar que a criança frequenta para se desenvolver de forma mais equilibrada.

Anos atrás, não era tão comum ir a um lugar que não a casa para isso. As famílias eram maiores, os vizinhos conviviam mais, e assim a criança já convivia com outras crianças no próprio lugar onde morava. Além disso, as brincadeiras de antes ajudavam mais no desenvolvimento de algumas funções, eram brincadeiras de mais movimento e em que as crianças interagiam mais, implicavam em tentar e conseguir, persistir, gastar energia... Claro que hoje em dia ainda existe isso, mas com menos intensidade. Hoje, muitas crianças não sabem brincar, e isso é muito triste. Muitas passam grande parte do dia apenas assistindo TV, muitas vezes programas que nem mesmo são voltados para crianças. Boa parte não pode brincar do lado de fora, seja por viver em ruas muito movimentadas e não ter um quintal, uma área externa ou mesmo uma pracinha próxima, seja por conta da violência, e até mesmo porque algumas famílias acham algo tão importante para o desenvolvimento como o brincar, algo transtornoso, é bem normal ouvir famílias se queixarem de que a criança vai se sujar, vai cair, vai sujar a casa... e para evitar transtornos, evitam também uma vida normal e saudável. É triste crescer apenas assistindo a vida, e não vivendo-a. Quando crescer mais, que referências/lembranças terá para dar confiança frente aos novos desafios?

Sobre quando colocar a criança na escolinha, o mais importante é ter bom senso. Cada criança tem seu tempo e as suas necessidades. Eu, pessoalmente, não acho legal colocar uma criança novinha, de poucos meses na escolinha, a não ser que não tenha jeito. Mas, de novo, não existe uma regra, essa é uma postura pessoal minha. Acho legal que já saiba andar e falar um pouco, pelo menos, antes de ir para a escola, se a família tem a possibilidade de esperar.

Outra coisa, crianças em fase pré-escolar não são pequenos executivos! Portanto, não é necessário (e nem saudável) ocupar o dia todo. Meio período na escola basta. Ela terá tempo, quando mais crescida, para fazer natação, inglês, judô, piano ou o que for. Por enquanto, a prioridade é brincar. Faz bem conviver com outras crianças, mas também é necessário ter um tempo sem tarefas, sem obrigações ou tanta rigidez, em casa, com a família, com os brinquedos dele, ter tempo de ficar mais a vontade, de ser criança.

Para escolher, vá conhecer várias escolas. Toda escola é boa quando a família educa e faz a sua parte. Não fique sem graça de perguntar como é o dia a dia das crianças, que tipo de atividades fazem, caso ele vá comer lá, se o que é oferecido é nutritivo e balanceado, se podem comer sozinhos... Observe se a escola tem área ao ar livre (e se as crianças brincam lá todos os dias, se tem um espaço adequado para correrem e tomarem um pouquinho de sol...), veja como são as salas e outras instalações, se são seguras e adaptadas para o tamanho dos pequenos (cadeiras e pias mais baixinhas, lugar adequado para um soninho...), com que tipo de brinquedos elas brincam, qual a formação das professoras, quem /quantos supervisionam as brincadeiras...

Quando escolher uma escola, leve o Felipe para conhecer e veja se ele também gosta. Não deixe de conversar com o menino com antecedência, dizendo que vão procurar uma escola, que lá ele poderá conhecer novos amigos para brincar e que passará um tempinho lá todos os dias, mas que a vovó sempre voltará para buscá-lo. Faça desse momento algo gostoso para vocês dois, não uma obrigação a ser cumprida, mas um momento especial: agora o Felipe é um menino maiorzinho que já pode ir à escola!

Nesse primeiro momento da educação da criança, o que mais conta não é ter mil atividades sentadinho na sala de aula ou levar para casa no final do ano uma pasta bem recheada de lições. Vale mais o sorriso, a camisetinha suja de areia do parquinho no final da tarde, as brincadeiras com os amiguinhos, a possibilidade de ter algum contato com a natureza, aprender a respeitar o outro e a ele mesmo, explorar e aprender a ser quem ele realmente é. O resto vem com o tempo e com os desafios das próximas fases da vida. E para superar bem as próximas fases, é importante passar bem por esta. Por enquanto, ao pensar na pré-escola, basta ser criança.

beijos para você e para o Felipe!
Bia


Para participar da coluna Ágora, envie a sua pergunta para o email bf.carunchio@gmail.com, você também pode participar enviando sua pergunta através da nossa página no Facebook ou do meu perfil pessoal.  Você tem a opção de se identificar ou de se manter como anônimo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário