quinta-feira, 6 de março de 2014

10 dicas para o cérebro

"Estamos usando nosso cérebro de maneira excessivamente disciplinada, pensando só o que é preciso pensar, o que se nos permite pensar." - José Saramago (1922-2010), escritor português premiado com o Nobel de Literatura em 1998.

Hoje vamos ver algumas sugestões para trabalhar e melhorar o desempenho do nosso cérebro. Não estamos pensando apenas em dar bons resultados nas nossas tarefas e superar desafios, aumentar a nossa produtividade, mas também em despertar nosso lado criativo, cuidar do equilíbrio emocional e, muito importante, estar atento à saúde. Vamos às dicas:


1- Coma direito e beba água em quantidade apropriada. Não tem como começar a conversar sobre melhorar o funcionamento cerebral se o cérebro não tem as mínimas condições necessárias para funcionar. Não se prive de água ou comida, boa parte da comida/glicose que ingerimos é usada pelo cérebro, que também é o órgão do corpo com maior concentração de água. Muitos distúrbios neuropsicológicos, como alguns tipos de demência, estão relacionados à perda de água que o cérebro sofre ao longo do envelhecimento.

2- Durma bem. Respeite horários fixos (dentro do possível) para dormir e acordar. Durma antes da 01 hora da madrugada, alguns hormônios não são secretados após esse horário. Além disso, mantenha o quarto em escuridão completa, sem luzes de apoio (se for necessário, oriento a manter uma luz de cabeceira ou lanterna ao alcance das mãos, apagadas, e a pessoa pode acender caso precise se levantar), alguns hormônios e substâncias que o nosso corpo produz só são produzidos no escuro. Sobre o sono diurno, evite. Se tem sono, pode cochilar por, no máximo, 15 minutinhos depois do almoço, nunca mais do que isso.

3- Aprenda outras línguas. Além de melhorar a nossa cultura geral e ajudar a conhecer uma nova cultura, amplia as redes neuronais, nos ajudando a pensar melhor e ampliando a gama de significados que temos "guardados". Outro ponto é que as línguas estrangeiras ficam alojadas numa área do cérebro diferente da nossa língua materna. Já vi caso de paciente com sequelas AVC (acidente vascular cerebral, o popular "derrame") que afetavam a área da língua materna... e a comunicação era feita normalmente em línguas estrangeiras, facilitando o tratamento e dando a essa pessoa uma qualidade de vida que ela não teria se não falasse outras línguas. Ah, importante: se a sua família é estrangeira e além do português vocês usavam alguma outra língua, então ambas estão no local relacionado à língua materna. Aprenda outra.

4- Tenha momentos de lazer. Vale sair com os amigos, praticar esportes, assistir a um filme, cuidar do jardim, dançar ou o que você gostar de fazer. Divirta-se! Claro que os estudos e o trabalho são importantes, mas pessoas que têm e respeitam seus momentos de lazer têm um rendimento muito maior. Além disso, nossa saúde física, psíquica e mesmo o nosso equilíbrio emocional ganham muito quando nos permitimos momentos de lazer.

5- Pratique esportes regularmente. Isso ajuda a diminuir o cortisol (substância ligada ao aumento do estresse) e a liberar endorfinas, que estão ligadas ao estado de satisfação e alegria.

6- Organize-se. Arrume a casa e o local de trabalho, as gavetas, armários e caixas, facilite sua vida. Use uma agenda, ou então crie uma lista de tarefas, mesmo para aquelas tarefas mais simples, como dar um jeito na roupa suja ou comprar a ração do cãozinho. Uma mente que não precisa parar suas atividades a cada momento para encontrar aquele papel ou lembrar de tudo o que precisa terminar antes do final de semana rende mais e se estressa muito menos. Nossa mente registra como feitas as tarefas que ficamos "repassando". Por isso, a cada vez que a gente pensa algo como "ir ao supermercado", além de ser um facilitador para esquecer a tarefa, é algo ainda mais cansativo, a pessoa se cansa pelo que fez e por todas as vezes que "fez" em pensamento!

7- Cuide da espiritualidade. Não importa a sua religião ou até se você nem sequer segue uma crença. Todos temos espiritualidade, isso é definido pelos psicólogos como a possibilidade da nossa mente de ir além de nós mesmos. Tanto faz se você cultiva esse lado frequentando sua religião, um grupo de estudos filosóficos ou políticos, sendo voluntário numa ONG que tenha uma causa que te toque, meditando em casa ou como preferir. O que importa é ter o hábito de se conectar a algo que vai além de si, seja esse "algo" uma divindade, o universo, a natureza, os excluídos pelo sistema...

8- Tenha momentos de ócio. Não, isso não é o mesmo que lazer, não falo de fazer algo concreto. No popular, falo daqueles momentos de pura preguiça, de se permitir vez ou outra passar o dia de folga chuvoso de pijama, de se permitir ficar largado no sofá ou tomando um sol... Muitas vezes, quando oriento as pessoas a se permitirem o ócio, elas demoram a compreender que não é um tempo para aproveitar e ir para a academia, nem para ficar na internet, nem para aproveitar e trocar a roupa de cama. É um tempo vago. Como o inverno, quando a natureza interrompe o processo de criar, de dar flores e frutos e se permite um momento de quietude. A ideia é essa, respirar um pouco do sufoco, da correria e das exigências da vida.

9- Tome sol. O sol está associado às nossas taxas de vitamina D que, entre muitas outras funções, têm uma participação importante no equilíbrio do nosso humor e na produção de serotonina, um "antidepressivo" que o nosso corpo produz. Não digo para se deitar no sol e "fritar", dez ou 15 minutos por dia (com tantas partes do corpo descobertas quanto for possível) já bastam. E o sol precisa ser direto, sem atravessar uma vidraça.

10- Cuide de você, esteja atento aos seus verdadeiros sentimentos e vontades. Respeite-se. Busque situações e relacionamentos que te fazem bem. Isso também conta muito para a nossa saúde, no sentido mais amplo da palavra. Muitas vezes as coisas "não andam" apenas porque não é para esse lado que a gente gostaria que elas fossem.

2 comentários: