quinta-feira, 10 de abril de 2014

5 Maneiras de trabalhar a concentração

Hoje vamos conhecer algumas dicas práticas para trabalhar a concentração. Isso é algo útil em diversas áreas da nossa vida: na espiritualidade, nos estudos e no trabalho, nas tarefas diárias… Por definição, a concentração é uma função neuropsicológica que nos permite escolher apenas um estímulo do ambiente (um livro que estejamos lendo, ou o foco da nossa meditação, ou ainda uma tarefa da vida prática) e, ao mesmo tempo, ignorar todos os outros estímulos, como pessoas falando, os carros passando lá na rua, nossos próprios pensamentos distratores (aqueles que teimam em vir nas horas menos convenientes e nos tiram do nosso foco). Vamos ver algumas sugestões para trabalhar a atenção concentrada:
concentração
1- Meditação visual: algumas pessoas acham que apenas quem é muito calmo e tem um grande poder de concentração pode meditar, mas isso não é verdade. Todos podem e devem praticar a meditação, mesmo que apenas por poucos minutos, pois ao mesmo tempo que nos exige certa concentração, a atividade também a desenvolve. Começando com uma meditação visual. Escolha um objeto qualquer. Pode ser, por exemplo, um relógio de ponteiros, assim você aproveita e marca o tempo. Sente-se, relaxe e respire fundo. Olhe para o relógio. Apenas o relógio importa, como se o Todo se resumisse a ele. Apenas observe o relógio. Se algum pensamento vier à mente, assim que você perceber, volte a se concentrar no relógio. É difícil? Comece devagar, com um ou dois minutos, e aumente o tempo aos poucos.
2- Meditação da respiração: o princípio é o mesmo da anterior, mas esta é um pouquinho mais avançada. Não há algo concreto e fora de nós para usar como foco de concentração. O foco está dentro de você mesmo, é a sua respiração. Sente-se confortavelmente e feche os olhos. Relaxe e respire fundo. Sempre respire fundo, lentamente, com calma e sem pressa. Talvez você perceba que sem o foco externo, os pensamentos distratores aparecem mais vezes. Está tudo bem. Quando percebê-los, apenas respire fundo e volte a se concentrar na respiração. Outra vez, comece aos poucos. Alguns minutinhos todos os dias valem mais e têm um efeito mais positivo do que uma longa prática de vez em nunca…
3- Lista de tarefas: uma dica da vida prática é fazer listas. Muita gente se distrai porque tem muitas tarefas para cumprir e menos tempo do que gostaria. E a nossa tendência é pensar coisas como “quando terminar com isso aqui vou fazer o trabalho de história antiga, depois vou dar um jeito na louça, vou ligar para o Fulano e resolver tal coisa e mais tarde tenho que ir a tal compromisso”. Parece organizado, mas não é. Porque a cada vez que repassamos na mente as tarefas e nos cobramos para lembrar de todas, nosso corpo secreta substâncias como a adrenalina e o cortisol que, quando em excesso, levam a quadros sérios de estresse, além de outros problemas físicos e psíquicos. Nossa mente se cansa antes de começar, pois a cada vez que pensamos e nos cobramos, é como se já tivéssemos feito e refeito tudo. Por isso, coloque no papel e libere o espaço mental para algo mais útil. Conforme for cumprindo as tarefas, risque-as na lista. A preocupação e o estresse diminuem conforme a lista diminui. Além disso, é bem mais fácil se concentrar em uma tarefa por vez do que tentar fazer todas ao mesmo tempo e não terminar nenhuma. Ou pior, terminar de forma medíocre.
4- Use a distração a seu favor: sempre fui uma pessoa distraída e com certa dificuldade de manter a atenção. E algumas vezes isso me ajudou muito na vida. Nossa sociedade tem o costume de colocar algumas coisas como apenas boas e outras como apenas ruins sem ver que tudo tem (pelo menos) dois lados. Sempre que vou escrever, gosto de me sentar perto de uma janela onde se possa ver um jardim, ou as árvores na rua, ou mesmo ter um vasinho de flores por perto. Porque sei que é algo que me encanta e me distrai. E sei que, com distrações na medida certa, meus textos (sejam de ficção, sejam artigos para blogs e sites, seja um texto técnico) saem muito melhores do que quando teimo em embarcar na loucura do mundo e fazer uma “linha de produção”. Sinto que isso me “humaniza” e me ajuda a pensar nos diversos focos da mesma situação. Avalie-se e perceba como a sua distração ou desatenção pode agir de forma boa na sua vida. Não estou dizendo que é para deixar para lá a tentativa de manter a atenção e de se organizar. É mais como correr “riscos calculados”. Em excesso a distração é ruim, mas em doses saudáveis é o alimento da criatividade e o colorido dos dias comuns.
5- Dê um tempo: Ninguém é focado 24 horas por dia. E se for, na certa deveria buscar ajuda… Dê um tempo. Faça pequenos intervalos de tempos em tempos, seja entre tarefas do dia a dia, seja entre exercícios de meditação. Dê uma volta, respire novos ares, converse com um bom amigo… permita-se ser desatento para que no momento certo você se permita usar ao máximo a sua atenção concentrada. A vida não é feita de receitinhas e esquemas prontos, a vida é feita de equilíbrio. Até o ciclo das estações do ano dedicou uma estação à beleza das flores. Por que não você?
Publiquei este artigo originalmente no site Frutos do Carvalho, dia 10 de fevereiro de 2014. Para ver o artigo original, clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário