sexta-feira, 25 de abril de 2014

Ágora - Suspeita de traição no relacionamento amoroso

Bia estou escrevendo aqui porque queria saber o que vc acha de um assunto um tanto delicado e não quero que coloque meu nome. Eu namorava uma moça e a gente estava já pensando eu e ela  em ela mudar aqui pra casa, mas eu soube que ela me traiu com outro. A pessoa que me contou isso não tem prova nenhuma mas é muito amigo meu então confio nele. Agora não sei o que fazer eu tentei me afastar um pouco mas não consigo por que gosto muito dela mas também não queria continuar numa relação que tem enganações porque como disse esse meu amigo, se ela faz uma vez, vai fazer de novo, apesar que ela jura que nem sabe do que ele está falando. O que vc faria? Fica com Deus.
G. - Rio Claro, SP


Bom dia, G.

Que situação mais chata. Vamos lá, não importa tanto o que eu faria, mas sim o que você vai escolher fazer depois de pensar na situação. O que posso fazer é ajudar nesse processo de reflexão, a escolha final sempre será sua. 

Clareando a história: você e sua namorada estavam bem e felizes, pensando em dar esse passo de morar juntos e tornar o relacionamento de vocês ainda mais sério. Então surge um amigo (que não fazia parte do relacionamento, por mais querido que fosse) e diz sem ter provas que a moça te traiu. Se toda história é um caminho, chegamos aqui a uma divisão tripla. Sua primeira escolha: acreditar no amigo e agir partindo disso. Ou acreditar na namorada e tocar a vida como planejavam. Ou, ainda, investigar essa história por si mesmo.

Independentemente de qual caminho você prefira, no cenário em que você caminha, existem duas possibilidades pairando no ar como sombras: a primeira é o seu amigo estar sendo muito sincero com você e a moça realmente ter te traído. A segunda possibilidade é a história não ser verdadeira. Algumas pessoas vêem uma coisa e compreendem outra. Algumas pessoas acreditam verdadeiramente que relacionamentos sempre acabam mal e que sempre há traições, o que não é verdade. Por fim, sei que dói, mas se por um lado traições acontecem sim, por outro lado pessoas "de confiança" e que se dizem muito amigas algumas vezes são exatamente aquelas que, pelo motivo que for, se colocam entre nós e a nossa felicidade, plantando conflitos, dúvidas e brigas. Isso também acontece, muito mais do que as pessoas gostam de pensar.

Como caminhar por um cenário tão hostil, em que não sabemos ao certo nem mesmo quem é sincero, quem realmente quer o nosso bem e em quem podemos confiar? Hora de parar, tomar um gole d'água e reavaliar seu mapa, peregrino! As coisas nem sempre são assim, certo ou errado, bom ou ruim, isto ou aquilo. Quero dizer que vale a pena explorar bem essa situação... A namorada já deu motivos para desconfianças ou a dúvida surgiu apenas quando o amigo fez esse comentário? Você já viveu antes situações de traição (com ela ou com outras pessoas)? Se sim, o que fez e qual foi o resultado? Explore mentalmente cada passo que você poderia dar e perceba bem qual te deixa melhor com você mesmo.

Se posso dizer alguma coisa do mundo mais concreto, conheço casais em que houve traição e terminaram, ou em que houve traição e que, após uma conversa madura e sincera, superaram o fato e o namoro ficou ainda melhor. Conheço casais que apenas ignoraram a traição ou que após a suspeita, "deram o troco" e se fragilizaram muito mais do que imaginaram, tanto como casal quanto como pessoa. Conheço casos em que "amigos" e até familiares plantaram as dúvidas de uma traição que nunca aconteceu e que, juntos, o casal superou isso e continuou a vida ainda mais unidos. As crises não existem para nos derrubar. Elas existem para que a gente repense o nosso caminho, descubra forças e aspectos sobre a gente mesmo que ficariam sempre escondidos sem esses momentos mais tensos. 

beijos,
Bia


Para participar da coluna Ágora, envie a sua pergunta para o email bf.carunchio@gmail.com, você também pode participar enviando sua pergunta através da nossa página no Facebook ou do meu perfil pessoal.  Você tem a opção de se identificar ou de se manter como anônimo.

2 comentários: