sexta-feira, 2 de maio de 2014

Ágora - Testes psicológicos com desenhos

Bom dia, Bia. Por favor, podes explicar aqueles testes que os psicólogos fazem que tem que fazer desenhos? Pra que servem e porque eles gostam tanto de fazer isso mesmo se a pessoa nem desenha direito? Eu por exemplo desenho pior que criança, como posso ir bem numa coisa dessas? Sempre que faço nas dinâmicas pra emprego fico pensando que o psicólogo vai achar que sou louco ou retardado kkkk. Obrigado. Bjs
Rodrigo - Porto Alegre, RS


Olá, Rodrigo!

Existem diferentes testes psicológicos e procedimentos de uso do psicólogo que envolvem fazer um ou mais desenhos. Por exemplo, o HTP (desenho de casa, árvore e figuras humanas), desenho de figura humana (em várias versões, com diferentes objetivos), de árvore, de família, desenho-história (com tema dirigido ou livre), entre outros. A ideia central é que através do desenho a pessoa projeta e expressa conteúdos (geralmente emocionais) dos quais nem sempre tem consciência. São testes e procedimentos bastante populares, tanto pela simplicidade e fácil acesso do material utilizado (papel sulfite e lápis, em alguns casos lápis coloridos), quanto pela visão da dinâmica interior que dão ao psicólogo. Por isso, são aplicados em diversos contextos, como na clínica, na área do trabalho, em processos de orientação vocacional, em alguns processos jurídicos, entre outros.

Bom, digo sempre aos meus pacientes que como crítica de arte, sou uma ótima psicóloga! Deixando as brincadeiras de lado, a ideia, ao contrário do que pensam, não é avaliar a pessoa pela qualidade do desenho, pelo realismo que passa. A intenção é observar algo mais sutil, que é a dinâmica da pessoa, as emoções, possíveis conflitos interiores, características de personalidade...  Portanto, não faz diferença se a pessoa desenha bem ou não tão bem. Alguns elementos que examinamos são a forma como o espaço da folha é usado, o tipo de traçado, a pressão dos traços, as cores, a ordem em que os diferentes elementos foram desenhados e, em alguns casos a interação entre os diferentes desenhos pedidos, entre diversos aspectos, que variam conforme o procedimento que se está utilizando ou o objetivo da aplicação.

Portanto, pode ficar despreocupado, pois o resultado desses testes e procedimentos não são como os de uma prova escolar tradicional, com certo/errado, bom/ruim. Tudo o que conta é o jeito de ser de cada pessoa, não existe personalidade mais certa ou personalidade errada. A pergunta que sempre aparece: ah, mas e numa seleção para uma vaga de trabalho, o que eles procuram? Varia de acordo com a vaga, pois também as vagas têm um "perfil", um conjunto de características (de conhecimento, de personalidade, etc.) esperado de quem a ocupa. As pessoas têm a ilusão de que se elas mostrarem que tem um certo perfil, terão mais chances de serem contratadas, e isso não é verdade. Por exemplo, uma característica comum em muitos currículos (muito mais comum do que na vida prática): "ótima relação interpessoal" ou "excelente sociabilidade". Isso é bom? É, desde que eu precise de alguém para interagir com o público. Se o que se procura for uma pessoa para tarefas mais solitárias e concentradas, alguém com "ótima interação social" não ganharia muitos pontos... Assim, os procedimentos que envolvem desenhos são uma área ampla da psicologia, bem como as diferentes características de personalidade e de dinâmica interna podem se combinar de maneiras diferentes, sem que uma seja melhor ou pior. Toda personalidade tem seus pontos fortes e fracos, toda forma de ser tem contextos em que seu melhor potencial pode crescer e dar frutos.

beijo,
Bia


Para participar da coluna Ágora, envie a sua pergunta para o email bf.carunchio@gmail.com, você também pode participar enviando sua pergunta através da nossa página no Facebook ou do meu perfil pessoal.  Você tem a opção de se identificar ou de se manter como anônimo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário