sexta-feira, 27 de junho de 2014

Ágora - Minha família não aceita meu namoro

Bia, tenho uma situação complicada sobre relacionamento. Pode colocar no seu blog se vc achar que vai ajudar mais pessoas. É assim, faz um tempinho que eu to namorando com um garoto e a gente se ama muito, não tem grandes problemas entre nós, o problema é a minha família que eles não aceitam isso de jeito nenhum. Eu nem sei porque essa situação, eu tenho 21 anos, trabalho e faço faculdade, ele tem 19 e tambem trabalha e faz faculdade. Somos pessoas sérias, esforçadas e nosso sentimento é sincero! Eu fico muito triste com essa postura da minha família, porque o G. não é uma pessoa ruim, tem caráter, me ama e me respeita. Eles nunca nem mesmo conversaram com ele para conhecer ele melhor, só ficam repetindo que vou sofrer demais e que agora é melhor eu me focar só na faculdade. Mas a gente se ama e faz planos pra no futuro casar e ter a nossa família, por isso quero tanto que meus pais aceitem essa minha escolha. Socorro! 
Débora - Minas Gerais


Oi, Débora!

Essa é mesmo uma situação que nos deixa com uma insegurança bem chata. Amamos alguém, e também amamos nossa família, queremos que o relacionamento evolua... e é muito chato quando a família não aceita isso. Vamos pensar na situação por partes para entender melhor e buscar caminhos.

Primeiro, acho que é fundamental a pessoa se resolver consigo mesma. O que espera do relacionamento? É apenas um namorinho ou existe a intenção de construir uma vida juntos? Bom, essa parte você já fez, pelo que me contou, certo Débora? Vocês pretendem se casar e formar a família de vocês, querem um relacionamento mais sério e, por isso, a aceitação da família pesa mais do que quando o casal só pensa em um relacionamento mais passageiro.

Segundo, acho fundamental ter uma conversa muito franca com os seus pais, não tentando impor que aceitem o namoro de vocês, e sim tentando entender o que eles dizem. Muitas vezes, quando nos apaixonamos, não vemos o outro com tanta clareza. Aliás, nem precisa estar apaixonada! Muitas vezes outras pessoas percebem características do outro diferentes daquelas que percebemos. Nesse sentido, pode ser interessante ouvir os pais, outros familiares e amigos, para saber o que exatamente eles pensam e ficar atenta se eles têm razão ou não. Importante dizer, muitas vezes quilo que as pessoas apontam como um problema ou um defeito foi justamente o que nos atraiu para aquela pessoa... por isso, é legal prestar atenção, mas também é fundamental ter a consciência de que a escolha sempre será nossa. Nessa conversa, vale a pena ainda perceber os medos que seus pais têm. Muitos temem que os filhos deixem os estudos em segundo plano por conta do relacionamento, ou que deixem sonhos e metas de lado. Vale a pena, se o caso for esse, deixar suas intenções bem claras, mostrar o quanto os dois se amam, mas também mostrar que levam a sério os estudos e o trabalho, enfim, mostrar que são responsáveis em todos os sentidos.

Terceiro, é interessante conversar também com o seu namorado, é importante que o casal tenha cumplicidade para que não fique à mercê das vontades de outras pessoas, sejam elas quem forem. É importante expor o que vem acontecendo em casa com sinceridade. Vocês se amam e, supondo que seus pais não aceitem o relacionamento de vocês de jeito nenhum, como vão escolher lidar com isso? Tenham um plano. Um bom plano, aliás. Um planejamento que envolva, inclusive, o tipo de discurso  e comportamento que terão com familiares que não os aceitam, mas que vocês amam. É melhor do que deixar para ver o que fazer na hora dos conflitos e acabar dizendo ou fazendo coisas que vocês podem se arrepender quando esfriarem a cabeça.

Não existe um jeito ou uma receitinha para alguém aceitar nossas escolhas, e a não aceitação também é uma consequência que precisamos assumir. O que precisa acontecer, sempre, é o respeito, no caso que você contou é preciso que os pais compreendam que a filha cresceu e já pode fazer suas escolhas. No entanto, a aceitação, que é aquela postura interna de lidar bem com a escolha do outro (e quem sabe até se alegrar pela felicidade dele), não tem como ser "forçada" ou "imposta". Muitos pais constroem sonhos encima dos filhos, e é frustrante para eles quando as escolhas dos filhos não vão na direção que eles esperam, muitos têm certa dificuldade para aceitar isso. Mas ao mesmo tempo, se o filho basear suas escolhas apenas naquilo que agradaria aos pais, estarão vivendo uma vida artificial, com escolhas que na realidade não são as dele. Geralmente, quando os pais percebem que os filhos estão felizes com a vida que escolheram e que tudo mais vai bem, eles tendem a se acalmar e a se alegrar pela felicidade dele. As escolhas na nossa vida sempre serão nossas. Independente daquilo que outras pessoas (por mais queridas que sejam) sintam ou pensem a respeito.

Boa sorte.
beijos,
Bia


Para participar da coluna Ágora, envie a sua pergunta para o email bf.carunchio@gmail.com, você também pode participar enviando sua pergunta através da nossa página no Facebook ou do meu perfil pessoal.  Você tem a opção de se identificar ou de se manter como anônimo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário