sexta-feira, 11 de julho de 2014

Ágora - Será que é hora de ver um psicólogo?

Oi tudo bom? É assim eu tenho um problema mas não sei se to pronta pra falar mas eu queria saber como eu faço para ver se eu preciso ou não ir no psicologo? É um problema meio complicado e não quero abrir pra ninguem mas fico me mordendo de preocupada e não sei se é caso pra psicólogo ou se vou chegar lá e traumatizar o coitado do psicologo ou ainda se ele vai rir da minha cara. Quero só ver se vc adivinha meu problema kkkkkkk...... mas serio me ajuda aí.
Jeane 


Bom dia, Jeane!

Um caso precisa de ajuda profissional sempre que coloca o paciente ou outras pessoas em risco (como as depressões com possibilidade de suicídio, por exemplo, casos de dependência química, violências de diversos tipos, entre outros). Psicoterapia também é recomendada quando a questão, mesmo parecendo algo leve e "sem importância", gera sofrimento excessivo para a pessoa, dificultando o andamento das atividades diárias ou mesmo causando certa sobrecarga emocional que impede a pessoa de encontrar soluções sozinha. Além disso, nem todos sabem, mas não é preciso ter um "problemão" para fazer psicoterapia. Problemas mais leves também podem ser tratados. Aliás, mesmo se não há exatamente um problema, a psicoterapia pode ajudar, pensando em prevenção e autoconhecimento. Sou da opinião que pelo menos uma vez na vida todos deveriam fazer terapia, mesmo que "apenas" para se entender melhor, é um carinho com a gente mesmo.

No seu caso, Jeane, mesmo sem saber do seu problema, parece que ele mexe com você a ponto de te deixar preocupada por não saber ao certo que rumo tomar. Se não consegue ver soluções sozinha e caminhar para elas, ajuda profissional pode ser uma boa ideia. O seu pedido de ajuda no final da mensagem já mostra que não está dando conta da questão, seja ela qual for.

Se optar por fazer terapia (porque precisando ou não, a escolha sempre será sua), não tenha medo. O psicólogo não está lá para julgar ninguém. Segue um código de ética que o proíbe de expor as informações de seus pacientes sem autorização deste ou intimação da Justiça. O código de ética (e o bom senso que em geral as pessoas têm, assim como o respeito pelo outro e pela dor do outro) impedem o psicólogo de "rir da cara" do paciente, por mais inusitada que seja a situação. E vá sem medo, você não vai traumatizar o profissional contando sua história... Ele estudou para isso, recebeu treinamento adequado e fez psicoterapia. Pode ainda, recorrer a um supervisor, outro psicólogo mais experiente que o ajude a compreender outras facetas do caso. Portanto, o psicólogo sabe bem onde está pisando e saberá lidar com a questão de forma profissional. E se não souber lidar com os aspectos emocionais do caso (afinal, todo mundo tem seus limites) ele encaminhará o caso a um colega de confiança.

Gostaria de lembrar também que o psicólogo trabalha apenas com as informações que recebe, sejam elas ditas, sejam os sintomas do paciente ou mesmo a linguagem não verbal (como a postura corporal, expressões faciais, etc.). Sendo mais clara, a ideia não é adivinhar nada! Caso não se sinta à vontade para expor a situação para seu terapeuta, a conduta seria antes trabalhar a relação terapêutica, para que exista essa confiança em se expor, e mesmo lembrar e conversar sobre esses pontos que mencionei, como o sigilo e a questão ética. O profissional está lá para fazer um trabalho sério, não para julgar as escolhas dos outros, rir e muito menos para sensacionalismo.

Boa sorte.
beijos
Bia


Para participar da coluna Ágora, envie a sua pergunta para o email bf.carunchio@gmail.com, você também pode participar enviando sua pergunta através da nossa página no Facebook ou do meu perfil pessoal.  Você tem a opção de se identificar ou de se manter como anônimo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário