terça-feira, 8 de julho de 2014

Mythos - Cassandra: quando não acreditam na verdade

Cassandra era a filha do rei Príamo, de Troia. Quando criança, ela e seu irmão Heleno foram ao templo de Apolo (deus que conduz o carro do sol, também ligado às profecias, pois o sol ilumina tudo e permite uma visão clara). No templo, as crianças brincaram tanto que adormeceram. Quando a ama os encontrou, serpentes lambiam seus ouvidos. Ela ficou muito assustada, mas felizmente nada de mal se passou. No entanto, é interessante saber que as serpentes eram um símbolo de Apolo, "emprestado" de Gaia (a terra, antiga dona do Oráculo de Delphos, onde serpentes auxiliavam nas profecias). Assim, as serpentes fizeram com que os ouvidos das crianças ganhassem uma sensibilidade muito grande, passaram a ouvir as vozes dos deuses!

Cassandra, obra de Evelyn de Morgan (1898).
A profetisa está no auge do desespero, no fundo se vê Troia em chamas.
Cassandra cresceu e se tornou uma linda jovem. Devido ao incidente com as serpentes, ela foi para o templo de Apolo e decidiu servi-lo como sua sacerdotisa. Ela era tão boa em sua função e tão dedicada, que o próprio Apolo se apaixonou por ela. Ele a ensinou os dons da profecia, e as previsões de Cassandra eram sempre muito certeiras. No entanto, a jovem se negou a ser amante de Apolo, o que fez com que o deus ficasse com tanta raiva que a amaldiçoou: suas previsões seriam sempre precisas e corretas, no entanto, ninguém jamais acreditaria em uma só palavra!

Com a maldição, Cassandra caiu em descrédito. Ela fazia previsões como antes, mas todos a chamavam de louca. No entanto, tudo sempre se passava exatamente como ela havia dito. Cassandra previu a Guerra de Troia e quando os gregos estavam por vencer a guerra através da estratégia com o cavalo de troia (um grande cavalo de madeira "recheado" de soldados que fora entregue como um "presente" de final de guerra), Cassandra alertou o rei para que destruísse o cavalo, alegando que aquelo seria a destruição de Troia, mas o rei a chamou de louca, alegando que um presente tão lindo jamais poderia significar destruição e catástrofes. Assim, Troia perdeu a guerra e Cassandra foi levada por Agamenon, um dos que lutavam ao lado dos gregos. Chegando em Micenas, a esposa de Agamenon, junto com o amante, mata o marido. Em algumas versões, Cassandra também é morta. Em outras versões, a profetisa foge e vai para a Cólquida, onde funda uma nova cidade junto com Zakíntio.


Questões para reflexão:

1- A psicologia e a mitologia nos trazem diálogos muito interessantes. No caso do mito de cassandra, alguns psicólogos falam sobre o complexo de Cassandra, em que a pessoa sofre por ser desacreditada em suas intuições, percepções e deduções, ainda que completamente pautadas na lógica. Geralmente são percepções e deduções que causam certa angústia e sofrimento para a pessoa e quando tentam dividir isso com alguém, são desacreditadas e se sentem ignoradas. Algo parecido já aconteceu com você? Como lidou com a situação?

2- Vamos explorar um pouco o segundo final do mito de Cassandra, em que ela escapa da morte em Troia e em Micenas, para fundar ela mesma uma cidade. Penso que esta é a saída para o drama do mito, seja na narrativa, seja quando ele se repete (de forma simbólica, é claro) na vida real. Lembro de uma frase que diz assim, "você é o único responsável pela sua felicidade". Sempre pensamos no sentido mais concreto, cada um construindo a sua felicidade e indo atrás de seus sonhos sem depender dos outros. Mas é interessante pensar de forma simbólica: apenas você pode vivenciar e sentir a sua felicidade, os outros não. Apenas você pode se alegrar com algo que vive, e isso não deveria depender daquilo que os outros pensam ou acreditam. Quando Cassandra se liberta da opinião dos outros, ela vive bem, pois "funda sua cidade", cria sua própria realidade onde sua forma de ver o mundo é válida e digna. Isso não é tanto sobre coisas e situações concretas, mas sobre sentimentos e pontos de vista a respeito da vida e daquilo que experienciamos. Como seria a sua "cidade"? Se pudesse desenhar a realidade da forma mais feliz para si, como seria essa realidade?

Um comentário: