terça-feira, 19 de agosto de 2014

Mythos: Viracocha - utopias, metas e o "não-lugar"

Hoje temos um deus da cultura Inca, um povo muito avançado e interessante que viveu na região dos Andes. Viracocha é o principal deus inca. Ou melhor, é um deus muito antigo, de povos que vieram ainda antes dos Incas (ou de povos míticos de quem os próprios incas acreditavam que eram os descendentes e herdeiros), e que acabou sendo englobado por essa cultura. 

De acordo com os mitos, Viracocha surgiu do lago Titicaca no momento de maior escuridão, trazendo a luz e tudo o que existe. Ao emergir das águas, como a "grande claridade", criou a terra e o céu, é um deus associado à criação e ordenação da realidade. Não há um lugar em que ele vive (talvez viva num "não-lugar" ou em algum tipo de contexto que vai além do espaço), mas onde quer que vá ou esteja, um pássaro de ouro sempre o acompanha. Esse pássaro têm o conhecimento de todos os tempos, passado, presente e futuro.

Ele não é um deus masculino e nem feminino, mas ao mesmo tempo é masculino e feminino. É imortal, abstrato, sem representação concreta (quando representado, é meramente para suprir a necessidade dos seres humanos de imaginá-lo, não porque tivesse uma forma ou algum tipo de materialidade). Isso chama a atenção, pois pensar uma criatura abstrata, não concreta e sem representação, compreender de fato este ser, é algo que exige uma capacidade cognitiva/psíquica bastante refinada. Os cultos a Viracocha eram reservados apenas à nobreza, talvez por exigir essa compreensão mais refinada, que as camadas mais altas poderiam adquirir mais facilmente por terem mais acesso aos estudos e informações do que as camadas populares.


Questões para reflexão:

1- O primeiro ponto que vamos explorar é a questão da criação. Tal como os deuses nos mitos, nós também criamos a nossa realidade, conforme fazemos escolhas, agimos e tomamos posições na vida. Como você cria o seu mundo? Não pense apenas que tipo de realidade você tende a escolher para si, mas também o processo de criação. Essas escolhas e posicionamentos são sempre tranquilos? Que tipo de escolha (ou de contexto) você tem mais facilidade e mais dificuldade para lidar?

2- O pássaro de ouro representa a maneira como nos libertamos quando temos as informações certas. São as informações que nos fazem livres (e aqui entra o conhecimento formal, as técnicas de diferentes tipos, mas também as informações do dia a dia, algo que aconteceu, algum plano ou intenções que temos, etc.). Para pensar: onde você consegue suas informações e como as usa de forma libertadora? Porque conhecimento e informação só libertam quando preenchem a realidade com sentido.

3- Para terminar, vamos pensar no fato de que Viracocha vivia num "não-lugar", ou num tipo de contexto que ia "além do lugar", no utópico (em grego, u - negação thopos - lugar, o não-lugar é o campo da utopia). Num certo sentido, o lugar onde queremos chegar sempre é utópico, não por ser impossível, mas porque no ponto de vista presente é um não-lugar, vai além daquilo que está presente aqui e agora. Esse tipo de "utopia" (que podemos chamar de esperanças, sonhos, metas...) nos movem, fazem com que a gente se liberte desse pontinho chamado presente e busque algo ou um modo de vida que supomos que será melhor, nossa vida ganha sentido conforme descobrimos uma direção para onde seguir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário