quinta-feira, 2 de outubro de 2014

O diário menstrual

Hoje a conversa é mais voltada para as mulheres, mas vou gostar muito se os homens ficarem por aqui e participarem deste momento com a gente. Já comentei em outros artigos que o mundo é feito de ciclos. Nós também, mulheres e homens, somos parte do mundo e temos os nossos diversos ciclos. O ciclo de sono-vigília, o ciclo de fome-saciedade, os diversos ciclos internos do corpo (liberação de hormônios, ciclo digestivo, etc.), além de todos aqueles ciclos que nós mesmos criamos, como as nossas rotinas diárias no trabalho, nos momentos de diversão... Entre tantos ciclos, penso que o ciclo menstrual se destaca. É um ciclo ao mesmo tempo interno e externo, ao mesmo tempo em que é regulado por uma série de hormônios, sofre influências externas (por exemplo, quando as mulheres convivem muito e têm um vínculo forte, elas tendem a menstruar no mesmo período, além de uma série de práticas e até sintomas referentes ao ciclo menstrual que são bem ligados à cultura em que vivemos – o tipo de absorvente que se usa, tomar ou não as pílulas anticoncepcionais, como tratar de sintomas como a cólica, no caso de mulheres que as sentem...). Aliás, a menstruação é algo tão simbólico e “poderoso” que chega a moldar a forma como as sociedades mais antigas marcavam o tempo. Alguns autores acreditam que as palavras “mês” e “menstruação” derivam uma da outra.

Por todos esses motivos, é uma ótima atividade de autoconhecimento (e de cuidado com a nossa saúde e com a gente mesma) começar a escrever o diário de saúde, diário menstrual ou ainda diário vermelho, como preferirem chamar. Isso nada mais é do que um caderninho onde anotamos todos os dias dados sobre o nosso ciclo e a nossa saúde. A saúde da gente é principalmente obrigação nossa, e não um problema dos médicos e outros profissionais. Claro que a atividade deles todos é fundamental, mas acredito que cada pessoa precisa ser a maior interessada em cuidar do próprio equilíbrio.

Crie o seu diário:

Vou contar para vocês como organizo o meu, mas sintam-se livres para mudar o que quiserem no de vocês. Cada uma tem suas necessidades, que se mostram a nós conforme nos conhecemos melhor. No meu eu costumo anotar assim:

Data, fase da lua e dia do ciclo (lembrando que o dia 01 é o primeiro dia de menstruação).

Dados de saúde física – Nessa parte entram sintomas (cólicas, dores, alergias, etc.), medicamentos que você tomou nesse dia, algo diferente que você comeu, práticas esportivas, dados sobre a sexualidade... Mas também dados mais sutis, como sentir mais frio ou mais calor que de costume, qualidade do sono, cansaço, etc.

Mental – Dados como o seu nível de concentração e atenção, criatividade, foco... Repare que em alguns dias ficamos super aéreas, já em outros tudo flui e temos mais foco nas nossas atividades do dia a dia. Em poucos ciclos você poderá mapear em que fases do seu ciclo você se sente mais disposta, em todos os sentidos.

Emocional – Como você está emocionalmente? Tristeza, alegria, animação, ansiedade, raiva, confusa... Ou tudo isso junto e um pouco mais? Eu, pessoalmente, gosto de escrever um pouquinho sobre o que mexeu com as minhas emoções, em especial quando algo fora do comum acontece, como uma perda, um contratempo mais significativo, ou mesmo uma conquista ou algo bom.

Espiritual – Dados e práticas espirituais (orações, meditações, participação em missas, cultos, rituais e celebrações, visitas a lugares sagrados, etc.). Uma espiritualidade equilibrada também conta para manter a saúde física e psicológica, independente da religião (aliás, mesmo sem ter religião).

É interessante manter esse diário por pelo menos 6 meses. Acho bom mantê-lo sempre. Ajuda no autoconhecimento e nos torna pessoas ativas nos cuidados com a nossa saúde. Conforme passam os ciclos, descobrimos coisas curiosas sobre nós mesmas. Provavelmente você passará a ver o seu ciclo de outra forma e a lidar com ele de maneira mais harmoniosa.


Sonhos e ciclo menstrual


Preste atenção também aos seus sonhos. Eles mudam ao longo do nosso ciclo. Na maior parte do ciclo, aparecem nos nossos sonhos os símbolos da “deusa branca”. Símbolos de fertilidade, sobre o tornar-se mulher e sobre ciclos. Mas durante o período menstrual e pré-menstrual aparecem bastante os símbolos da “deusa escura”, ligados à morte/transformação, destruição, águas escuras/escuridão... enfim, são símbolos ligados ao fim de um ciclo, que precisa terminar para que o próximo possa começar. E nesse movimento, nessa dança dos ciclos, encontramos a nós mesmas, encontramos o poder que temos sobre o nosso corpo e as nossas escolhas. Isso é o que de mais precioso temos.


Publiquei este artigo originalmente no site Frutos do Carvalho, no dia 13/01/2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário