quinta-feira, 30 de outubro de 2014

O momento da refeição

Gosto de sugerir às famílias e casais com questões ligadas ao relacionamento, à falta de diálogo e com queixas de brigas e discussões frequentes, uma medida simples: que façam as refeições juntos. Se não for possível todos os dias, ao menos um almoço de domingo por exemplo. Não precisa ser nada muito elaborado, apenas a comida de sempre, mas com todos sentados juntos e desfrutando de um momento tranquilo e agradável. Sem TV, celulares ou outras distrações. Apenas a refeição e as pessoas queridas. Separei hoje alguns pontos que costumo sugerir nesta atividade.


Nas mais diversas culturas, o momento da refeição é sagrado. É um momento de cuidado consigo mesmo, de respeito para com o alimento que nos manterá vivos e fortes, de compartilhamento (palavra tão na moda nessa época de redes sociais) com os queridos. É um momento que, quando bem aproveitado, nos ajuda a sentir que somos parte daquele grupo, nos identificamos com aquelas pessoas e permitimos que elas também se identifiquem conosco. E assim se cria um tipo de interação muito mais plena de bons afetos, muito mais próxima e íntima.

Claro, para a estratégia dar resultados, alguns pontos precisam ser respeitados. 
-Não basta fazer isso uma só vez e esperar que a família fique harmoniosa ou que a interação entre o casal mude, é preciso que se crie um hábito de ter refeições juntos até que isso simplesmente se torne o "natural". 
- TV, telefones celulares e outros equipamentos ficam de lado neste momento. 
- Se gostam, podem colocar uma música tranquila e em volume um pouco mais baixo, para permitir que as pessoas conversem e interajam. 
- Aliás, interajam! Com educação, sem provocações, em tom de voz normal. A hora da refeição é um momento de paz! Aproveitem para conhecer melhor uns aos outros, contar como foi o dia, algo que gostaria de fazer, etc. Não é o momento para falar de problemas e questões que nos deixam tristes ou chateados. 
- Arrumem um cantinho bem tranquilo e gostoso para a refeição que vão compartilhar. Não precisa ser nada caro, basta um cantinho limpo, tranquilo e aconchegante de casa. Se o tempo estiver agradável, podem gostar de fazer isso lá fora, ou mesmo de fazer um piquenique num parque da sua cidade.
- Deixe que todos ajudem e se envolvam. As pessoas se sentem fazendo parte quando também são bem-vindas a contribuir com algo dentro de suas possibilidades (preparar um prato, arrumar a mesa, colher uma flor para enfeitar...).

Essa interação íntima, facilitada na comensalidade (ou seja, quando comemos juntos), é chamada de "mundo da vida" pelo filósofo Habermas. É no mundo da vida que podemos nos permitir ser quem somos e explorar todas as nossas possibilidades, sem medos ou inseguranças, pois as outras pessoas gostam de nós e nos respeitam, nos dando (e recebendo de nós) o suporte necessário para que exista crescimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário