sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Ágora - Narcisismo: pessoas "metidas"

Bia, qual o problema dessas pessoas que se acham? Eu me irrito muito com essas coisas porque vejo ai umas pessoas que nem são bonitas, nem inteligentes, nem fazem nada demais pra elas mesmas (e menos ainda pros outros) e se acham!!! Fico muito irritada quando vejo gente metida sem nem ter motivo kkkkkk pq quando tem motivo pra ser metido é ao contrario, ai a pessoa que faz coisas legais e até podia se achar é simples e gente boa.
Beijos e parabéns pelo blog
Mel


Bom dia, Mel!

Percebo nessas pessoas metidas, como você descreveu, dois tipos de situação. A primeira não é nada demais, a pessoa apenas tem uma boa autoestima e está focada nela mesma. E ai, quem não tem o foco em si mesmo acaba se incomodando um pouco por não conseguir ter esse tipo de atitude.

A segunda situação, que acredito ser a que você descreveu, Mel, é um pouco mais complexa. Algumas pessoas tem um grau de narcisismo muito elevado. A palavra "narcisismo" veio do mito grego de Narciso, um jovem tão belo que, ao contemplar a própria imagem num lago, apaixonou-se e morreu afogado. Todo mundo tem um certo grau de narcisismo. Graças ao nosso narcisismo temos autoestima, e também cuidamos de nós mesmos. Mas quando esse narcisismo é alto demais, a pessoa começa a ter problemas. Por exemplo, ter uma visão distorcida de si mesma e da realidade. Como se ela só tivesse pontos positivos, como se tudo no mundo e na vida dos outros existisse em função delas e mesmo uma grande dificuldade em aceitar que nem tudo é da forma que ela gostaria que fosse...

No segundo caso, é muito indicado que a pessoa procure psicoterapia, pois o menor dos problemas é ser esnobe. Quando não temos uma visão realista da vida e de nós mesmos, fica muito complicado assumir a responsabilidade pela gente mesmo e pela nossa felicidade. Além disso, a convivência com outras pessoas fica muito prejudicada, pois a pessoa excessivamente narcisista, além de não ser ela mesma (pois sequer sabe quem é, usa uma máscara), também tem dificuldade em perceber o outro como um sujeito que também tem sentimentos, necessidades, problemas e desejos. O outro é visto como um objeto. No máximo como "platéia". 

Lembrando que é normal e saudável que crianças pequenas, assim como os adolescentes tenham um grau de narcisismo um pouco acima do que os adultos têm. Cabe aos familiares e educadores dar a eles os limites necessários e dados claros da realidade (sim, tem que dividir o chocolate com o seu irmão; sim, precisa esperar sua vez e respeitar a vez do colega; não, você é bonita mas não vai se expor dessa maneira nas redes sociais porque a internet está cheia de pessoas mal intencionadas; não, você não vai a tal lugar porque o responsável por você sou eu e não acho seguro, ainda que você pense que está acima de todos os problemas).

Cada um é aquilo que quer ser, que faz sentido para si. Cada pessoa tem o seu caminho de vida, as suas escolhas e preferências. Percebo que quando a pessoa tem esses conceitos claros (emocionalmente, não apenas como ideias), não vê sentido em se colocar como alguém acima dos outros. A vida não precisa ser o tempo todo uma competição. As vezes (na maioria das vezes, aliás), cada um está apenas mergulhado na própria realidade, vivendo a própria vida e deixando os outros viverem a deles.

Beijos,
Bia


Para participar da coluna Ágora, envie a sua pergunta para o email bf.carunchio@gmail.com, você também pode participar enviando sua pergunta através da nossa página no Facebook ou do meu perfil pessoal.  Você tem a opção de se identificar ou de se manter como anônimo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário