quinta-feira, 6 de novembro de 2014

O diário de sonhos: um olhar para dentro

Desde épocas antigas os sonhos intrigam a humanidade. Muitos se interessam por saber que mensagens existem por detrás de seus símbolos, o que o sonho está querendo nos dizer. Sonhos já foram considerados mensagens de deuses, demônios e todo tipo de criatura sobrenatural. Os antigos gregos, quando estavam doentes, iam ao templo de Esculápio (filho médico de Apolo, e deus da medicina), onde participavam de rituais e depois dormiam, para que sonhassem com a cura. Os sonhos também já foram vistos apenas como atividade cerebral sem sentido que acontece enquanto dormimos, ou como algo fundamental para manter a saúde psíquica. Mas não é bem assim, ou melhor, não é apenas assim.

Sonhos são mensagens. E mensagem nenhuma envia a si mesma sozinha! É preciso que alguém as envie... Não! Não falo aqui sobre deuses ou outros seres. Falo sobre o nosso inconsciente, o nosso Eu mais profundo. Assim, os sonhos são mensagens enviadas por uma parte nossa à nossa própria consciência.

Os sonhos têm dois tipos de conteúdo: o conteúdo manifesto (as imagens, falas, sons, sensações, etc. – tudo o que está explícito) e o conteúdo latente (a mensagem decodificada). Sobre o que seriam essas mensagens? Sobre você mesmo, sobre suas escolhas e seu caminho de vida. Os sonhos são instrumentos poderosos de autoconhecimento. Quando trabalhamos com nossos sonhos, podemos descobrir muita coisa sobre nós mesmos. Em pouco tempo, percebemos que nossos sonhos trazem símbolos poderosos que retratam a nossa própria transformação – o processo pelo qual nos construímos e nos tornamos quem somos.

Para perceber melhor esse nosso desenvolvimento, é interessante criar um diário de sonhos. Antes que protestem, digo que todos nós sonhamos. Aliás, sonhamos muitas vezes todas as noites. Na fase de sono REM, que em adultos acontece em média 4 a 5 vezes por noite, os sonhos são mais vívidos e mais carregados de emoção, portanto, mais lembrados.

Dicas para lembrar dos sonhos
Uma boa dica para quem tem dificuldade de lembrar dos sonhos é dar ais atenção a este tipo de assunto. Ter uma rotina relaxante na hora de dormir (banho morno, uma xícara de chá, meditação, oração, leituras tranquilas, etc.) também ajuda muito. Esqueça os problemas e compromissos do dia, é hora de relaxar! Não vá para a cama com fome e nem com o estômago cheio, prefira algo leve, se for comer. Na hora de dormir, use roupas confortáveis, que não prendam seus movimentos, e garanta que você não passe frio e nem calor. Isso interfere na qualidade do sono e na lembrança dos sonhos. Uma dica importante: antes de adormecer, dê a si mesmo a ordem mental de que irá se lembrar dos seus sonhos. Algo simples e direto, do tipo “vou me lembrar dos meus sonhos”. Mentalize a frase várias vezes. Pode não funcionar nas primeiras tentativas, mas insista, persista. Vale a pena descobrir o que seu inconsciente tem a dizer. Ele nos traz mensagens preciosas.

De manhã...
Quando acordar, evite pular da cama. Aliás, evite se mexer demais. Os movimentos interferem na nossa mente, e podem atrapalhar a lembrança dos sonhos. Repasse o sonho na sua mente, do jeito que se lembrar, quantas vezes precisar. Depois, conte o sonho a si mesmo, em seus pensamentos. Contando, isto é, organizando o conteúdo do sonho em palavras, muitas vezes acabamos por lembrar de mais detalhes. Por fim, pegue o seu diário de sonhos e vamos começar as anotações!

Mas Bia, como é esse diário de sonhos?
É um caderno comum. Você escolhe se tiver vontade de customizar a capa, folhas com ou sem linhas (eu prefiro sem, as linhas sempre me atrapalharam!), enfim, fica para cada um decidir como prefere e como é melhor para si. O meu é um caderninho super simples, desses com folhas sem pauta e capa de cartão. O mais importante é NÃO fazer no computador/tablet. Escrever no papel nos faz usar áreas do cérebro diferentes das que usamos para digitar (como a coordenação motora mais refinada). Além disso, percebo com meus pacientes que aqueles que seguem esta orientação se envolvem mais com o projeto e têm resultados melhores. Ah, também NÃO anote naquela mesma agenda que você usa no dia a dia para registrar a reunião com o chefe, as provas da faculdade, as contas para pagar... Respeite seus sonhos (e a si mesmo), faça deste momento algo especial. Outra dica: deixe o diário no criado mundo ou em algum lugar perto da cama. Além de facilitar, vê-lo por lá na hora de se deitar nos prepara para lembrar dos nossos sonhos (lembre-se de deixar também um lápis ou caneta!)

O que anotar?
Fique à vontade para criar seu próprio jeito. Eu gosto de fazer assim:
- Data, dia da semana, fase da lua e momento do meu ciclo menstrual (óbvio, só para as mulheres, pois os símbolos dos sonhos podem mudar de acordo com a fase do nosso ciclo).
- O conteúdo manifesto (o sonho em si), mesmo que se lembre coisas vagas, como “cor de laranja, sensação de sufocamento”. Com o tempo, você lembrará mais detalhes.
- Interpretação. O que o sonho diz? O que te lembra? Quais os símbolos de maior destaque (lembre-se: tudo pode ser um símbolo!)? Que impressões, sensações ou lembranças o sonho traz? A melhor interpretação é a sua própria, lembre-se que foi você mesmo quem codificou a mensagem! Claro, saber sobre símbolos pode ajudar a pensar. O mesmo vale para a mitologia, que pode ser de grande ajuda neste campo, é comum que elementos míticos e até mitos completos apareçam nos nossos sonhos, disfarçados ou até mais claros.
- Detalhes do dia anterior. Teve grandes perdas ou grandes alegrias? O monstro do pesadelo é o mesmo do filme que viu? Algumas vezes nosso sonho usa lembranças do dia anterior (ou mais antigas!). Esteja atento a esses detalhes.


Já dizia o estudioso de mitos Joseph Campbell, “os mitos são sonhos públicos, os sonhos são mitos privados”. Olhando com cuidado a mitologia de um povo, notamos um fio condutor. Nos judeus, muitas vezes esse fio é a criação de leis e obediência-transgressão dessas leis, bem como a recompensa ou punição. Nos gregos, é a busca do equilíbrio, da “justa medida”. Nos romanos, o fio condutor quase sempre é a conquista (de terras, de outros povos, de tesouros, conquistas amorosas, etc.). E na sua mitologia pessoal, nos seus sonhos, qual é o fio condutor? Folheando o diário de sonhos, você pode descobrir isso e muitas outras coisas sobre si mesmo. Basta o olhar atento, com envolvimento e dedicação. Bons sonhos a todos!

Publiquei este artigo originalmente no site Frutos do Carvalho, no dia 16/12/2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário